O QUE É LIBERDADE?

Postado por Norma Villares

Muitos filósofos têm escrito sobre a liberdade. Falamos sobre liberdade — liberdade para fazer o que quisermos, para ter o emprego de que gostamos, liberdade para escolher uma mulher ou um homem, liberdade para ler qualquer livro, ou liberdade para não ler absolutamente nada. Somos livres, e o que fazemos com essa liberdade? Usamos essa liberdade para nos expressarmos, para fazer aquilo de que gostamos. A vida está se tornando cada vez mais permissiva — você pode fazer amor no parque ou no jardim.

1

Temos toda espécie de liberdade, e o que temos feito com ela? Pensamos que onde há escolha há liberdade. Eu posso ir à Itália ou à França: é uma escolha. Mas a escolha dá liberdade? Por que temos que escolher? Se você é realmente lúcido, tem uma compreensão exata das coisas, não há escolha. Disso resulta uma ação correta. Apenas quando há dúvida e incerteza é que começamos a escolher. A escolha, então, se vocês me permitem dizê-lo, constitui um empecilho para a liberdade.

Nos estados totalitários não há liberdade alguma, pois eles têm a idéia de que a liberdade produz a degeneração do homem. Portanto, eles controlam, reprimem — vocês sabem o que está acontecendo.

Então, o que é liberdade? É algo que se baseia na escolha? É fazer exatamente o que queremos? Alguns psicólogos dizem que, se você sente alguma coisa, não deve reprimi-la ou controlá-la, mas deve expressá-la imediatamente. Jogar bombas é liberdade? — veja apenas a que reduzimos a nossa liberdade!

A liberdade está lá fora, ou aqui dentro? Onde você começa a procurar pela liberdade? No mundo exterior — onde você expressa o que quer que você queira, a tal liberdade individual — ou a liberdade começa dentro de você, para então se expressar inteligentemente fora de você? Compreendeu a minha pergunta? A liberdade só existe quando não há confusão dentro de mim, quando, psicologicamente, religiosamente, não há o perigo de eu cair em nenhuma armadilha — você entende? As armadilhas são inúmeras: gurus, sábios, pregadores, livros excelentes, psicólogos e psiquiatras — tudo armadilhas. E se estou confuso e há desordem, não preciso, primeiro, me livrar dessa desordem antes de falar em liberdade? Se não tenho nenhum relacionamento com minha mulher, com meu marido, ou com outra pessoa — porque nossos relacionamentos são baseados em imagens — surge o conflito, que é inevitável onde há divisão. Então, não deveria eu começar por aqui, dentro de mim, na minha mente, no meu coração, a ser totalmente livre de todos os medos, ansiedades, desesperos, e das mágoas e feridas de que sofremos por causa de alguma desordem psíquica? Observe tudo por si mesmo e livre-se disso!

Mas, aparentemente, nós não temos energia. Nós nos dirigimos aos outros para que nos dêem energia. Falando com o psiquiatra nós nos sentimos aliviados — a confissão e tudo o mais. Sempre dependendo de alguma outra pessoa. E essa dependência, inevitavelmente, causa conflito e desordem. Então, temos de começar a compreender a profundeza da liberdade; precisamos começar com aquilo que está mais perto: nós mesmos. A grandeza da liberdade, a verdadeira liberdade, a dignidade, a sua beleza, está em nós mesmos quando a ordem é completa. E essa ordem só vem quando somos uma luz para nós mesmos.

Krishnamurti – Perguntas e Respostas – Ed. Cultrix


Eu fiquei entusiasmada com o desafio de Julimar Murat, sobre a cor da liberdade e trouxe um texto de Krishnamurti, para alegrar a discussão. É um tema instigante e precisa ter reflexão. Parabéns Julimar, amei o desafio.

Nós exercemos a LIBERDADE no sentido lato da palavra?

Fica a questão!?

Pense nisso!

Paz profunda

FILME ESPÍRITA SOBRE "NOSSO LAR"

Postado por Norma Villares



Já está sendo filmado "Nosso Lar", pela Fox Filmes, um longa metragem, com o roteiro baseado na obra mediúnica de André Luiz psicografado por Chico Xavier. Um filme que com certeza, marcará o cenário cinematográfico brasileiro e trará maior compreensão da fé espírita, estará em cartaz em 2010. Para quem conhece, mais uma oportunidade para aprofundar o estudo da obra Nosso Lar. Para quem não conhece, um fomento à busca espiritual, a caridade e à fé.


A produção do filme é brasileira, uma parte da equipe com pessoas dos EUA e Canadá. Renato Prieto estará representando André Luiz, além de muitos outros atores brasileiros. Segundo artista do filme, as imagens mostradas aqui nesse blog, na internet e no Youtube serve para fazer propaganda do filme, mas não fazem parte do filme (inclusive o homem que está na cama). Como a internet é um veículo de excelência para o sucesso do filme, estamos veiculando aqui para que todos possam divulgar e assistir o filme em 2010.


"Nosso Lar" é o um dos livros - o mais vendido até hoje - psicografados pelo médium brasileiro Chico Xavier, que compõem uma coleção intitulada A Vida no Mundo Espiritual, atribuída ao espírito André Luiz. No movimento espírita brasileiro essa coleção é também conhecida como Série Nosso Lar.

Clássico da literatura espírita brasileira, Nosso lar é um romance que versa sobre os primeiros anos do médico André Luiz após sua morte, numa "colônia espiritual", espécie de cidade onde se reúnem espíritos para aprender e trabalhar entre uma encarnação e outra. O romance levanta questões acerca do sentido do trabalho justo e dignificante e da Lei de Causa e Efeito a que todos os espíritos, segundo o espiritismo, estariam submetidos.

A novelista Ivani Ribeiro teve o livro Nosso lar entre suas bases para escrever a novela A viagem, que até agora teve produzidas duas versões, ambas com sucesso e impulsionando a venda de literatura relacionada ao tema. Nosso Lar, obteve o primeiro lugar entre os dez melhores livros espíritas publicados no século XX, segundo pesquisa realizada em 1999 pela "Candeia Organização Espírita de Difusão e Cultura".

As cenas do filme serão rodadas no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro.




A construção do AEROBUS de "Nosso Lar", ficou sob a responsabilidade do artista hanburguense lvoni Nissola da Silveira, 51 anos. Esse ônibus espacial que irá compor o cenário do longa-metragem brasileiro Nosso Lar. Embora o meio de transporte intergalático não se movimente, seu tamanho é real. Com a ajuda de dez colaboradores, o artista precisou de dois meses e meio para fazer o aerobus de 14 metros de comprimento, três de largura e lugar para 34 passageiros. A peça foi produzida com 95% de fibra de vidro e 5% de madeira.




A peça, produzida em solo gaúcho, fará parte das filmagens do longa-metragem inspirado no livro psicografado por Chico Xavier, chamado Nosso Lar.





Pesando cerca de três toneladas, a peça levou quase três meses para ficar pronta. Produzida em um galpão no bairro Boa Saúde, e já chegou no Rio de Janeiro.

ZERO HORA
FONTE: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a2624262.xml

MAPA DA COLÔNIA NOSSO LAR. ESTRUTURA DA CIDADE ESPIRITUAL.




“NOSSO LAR” foi fundado no século XVI, por portugueses distintos, desencarnados no Brasil, e está localização sobre a cidade do Rio de Janeiro.





Governadoria está num edifício, “de torres soberanas que se perdem no céu”.

O "Nosso Lar" possui seis Ministérios a saber:

Ministério da Regeneração, do Auxílio, da Comunicação, do Esclarecimento, da Elevação e da União Divina.Ministros: cada Ministério é administrado por 12 (doze) Ministros.

População: homens e mulheres, jovens e adultos (desencarnados), em número de um milhão, segundo dados fornecidos pelo Autor, em 1943.

Possui inúmeras construções, dependências e lugares especiais: Grande muralha protetora da cidade, com baterias de proteção magnética, conjuntos habitacionais, praça central (que acomoda até um milhão de pessoas), fontes luminosas, jardins, parques arborizados, o Bosque das Águas, o Rio Azul, o Campo da Música, a Câmara de Retificação (para enfermos), etc.

Fica situado na região do Umbral, com várias escalas morais, sendo a mais infeliz denominada de “Trevas”.



FONTE: Heigorina Cunha, Cidade no Além; NOSSO LAR (Francisco Cãndido Xavier e André Luiz).


http://valintim.blogspot.com/2009/08/nosso-lar-o-filme.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Nosso_Lar


A VACUIDADE DO ESPÍRITO

Postado por Norma Villares


“Um recipiente só é utilizável quando está vazio, e um espírito cheio de crenças, dogmas, afirmações e citações, é na verdade um espírito estéril, uma máquina de repetição. Deste estado de vazio é que tentamos sempre fugir por todos os meios. E é por isso que a solidão é perigosa. Ela nos coloca em estado de receptividade. Procuramos, então, aquilo que chamamos de divertimentos, encher o silencio por barulho que, transportando-nos ao passado ou ao futuro, nos afastam do vazio. Mobiliamos a solidão com pensamentos defensivos. Mas esta vacuidade não desaparece. Nós a negamos mas não chegamos a destruí-la. Se você chegar à evasão total irá parar num asilo de loucos onde se tornará completamente estúpido. E é exatamente isso o que acontece hoje no mundo”. A única solução para não se temer esta vacuidade é não fugir dela e ver a realidade cara a cara, sem palavras, sem pensamentos.

“O vazio criador não pode ser produzido enquanto o pensador estiver atento e for observador, a fim de consolidar sua experiência. Se você quiser esta experiência, a terá. Mas não será o vazio criador. Será a projeção do seu desejo, a ilusão. Mas comece a observar, a ser consciente de suas atividades em cada instante, a olhar o conjunto do seu processo como um espelho, e à medida que se aprofundar chegará, finalmente, , a esta vacuidade que somente pode produzir a renovação. O estado de vazio criador não se cultiva; ele chega sem ser convidado. E somente nele pode acontecer a revolução criadora.”

Esta vacuidade se faz presente quando a vemos como um abismo. Quando a procuramos ela escapa. Ela não tem lugar, não tem solidez, e por isso mesmo, por causa desta fluidez, é que aparece somente àquele que não sabe.

“As idéias não são a verdade. A verdade deve ser vivida plenamente, de momento a momento. Isto é a verdade. A capacidade de abordar tudo, instante a instante, à maneira de um ser novo, não condicionado pelo passado, de maneira que não existam mais efeitos cumulativos agindo como uma barreira entre o eu e aquilo que é. A idéia só para quando há amor. E este não é memória nem experiência. O amor não pensa.”

A mobilidade da verdade precisa de uma grande mobilidade de ação acessível àquele que não se prende a nada, àquele que é livre como o vento por que viu a realidade. A rapidez de sua percepção engloba a verdade que é através de todas as evoluções. Não há mais fixidez, fórmulas, mas liberdade luminosa. Isento de toda formação, ele não é prisioneiro de nenhuma fórmula, não há mais busca ou espera da realidade. Os limites do pensamento foram ultrapassados, ele atingiu o inexprimível, o “sem palavras”. “Se a verdade era um ponto fixo, não era a verdade, mas apenas uma opinião. A verdade é o desconhecido e aquele que a busca nunca a encontrará, porque todos os elementos que a compõem pertencem ao conhecido. O espírito é o resultado do passado, um produto do tempo. É o instrumento do conhecido e não pode descobrir o desconhecido. Pode ir apenas do conhecido ao conhecido.”


Krishnamurti


Jiddu Krishnamurti nasceu no Sul da Índia em 1895 e a partir dos treze anos de idade passou a ser educado pela Sociedade Teosófica, que o considerava o veículo para o "Instrutor do Mundo", cujo advento proclamavam. Krishnamurti logo emergiu como um poderoso, descompromissado e inclassificável instrutor, cujas palestras e escritos não estavam vinculados a nenhuma religião específica, não sendo do Oriente nem do Ocidente, mas para o mundo todo. Repudiando com firmeza a imagem messiânica, em 1929 dissolveu dramaticamente a grande e rica organização que havia sido criada à sua volta, e declarou ser a verdade "uma terra sem caminhos", à qual nenhuma religião formalizada, filosofia ou seita daria acesso. Embora não tenha ligações com nenhuma organização filosófico-religiosa nem se apresente com títulos universitários, fez inúmeras conferências para grupos de líderes intelectuais nas maiores cidades do mundo, durante muitos anos de sua vida.


Fonte: CUIDAR DO SER - Av. Zunkeller, 57 - Alto do Mandaqui - São Paulo - SP -
Tel.: (11) 6258-6590 - sac@cuidardoser.com.br

RUMI O POETA MÍSTICO DO AMOR

Postado por Norma Villares



Quando está comigo, o amor não me deixa dormir.
E quando não estás comigo, as lágrimas não me deixam dormir.
Teu amor chegou ao meu coração e partiu feliz.

Depois retornou, vestiu a veste do amor.

Me colocou o gosto do amor.
Mas, mais uma vez foi embora.
Timidamente lhe pedi que ficasse comigo alguns dias.
Então veio, sentou-se junto a mim e esqueceu de partir.





Em cada coração há uma janela para outros corações
Eles não estão separados, como dois corpos
Mas, assim como duas lâmpadas que não estão juntas,
Sua luz se une num só feixe




Vem, Te direi em segredo Aonde leva esta dança.

Vê como as partículas do ar.

E os grãos de areia do deserto giram desnorteados.

Cada átomo Feliz ou miserável,

Gira apaixonado em torno do sol.



Jalaluddin Rumi

Rumi é o maior místico poeta de todas as tradições religiosas do Amor. Seus poemas elevam a alma na bem aventurança amorosa. Ele tem poemas fantásticos sobre o AMOR em todas as suas formas. O amor erótico, o amor do sentidos, o amor ao outro, o amor espiritual e o amor a Deus.
A tradição mística diz que a dimensão mais profunda de nós mesmo é o
que denominamos de DEUS. Ele foi contemporâneo de Francisco de Assis, e um não sabia da existência do outro.

Fonte:
1. http://www.sertaodoperi.com.br/poesiasufi/poesia/rumi_colet.htm.
2. Boff Leonardo. Tempo de Transcendência. Editora Sextante, 2000. São Paulo.

DESCOBERTA DE 32 PLANETAS

Postado por Norma Villares


O anúncio da descoberta de 32 planetas fora do sistema solar foi feito ontem no Porto. O responsável pela divulgação foi Nuno Cardoso Santos, investigador da equipe da Organização Europeia para Pesquisa Astronômica no Hemisfério Sul (ESO, sigla em inglês) . Agora quer ir mais longe, usando um novo telescópio e, quem sabe, descobrir vida fora do sistema solar.

Uma equipe de investigadores, onde se inclui um português, descobriu 32 novos planetas fora do sistema solar. A descoberta foi anunciada ontem por Nuno Cardoso dos Santos, cientista do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP), e membro da equipe internacional. Nuno Cardoso Santos, que é também professor afiliado na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, disse ao DN que "esta descoberta de 32 novos planetas a orbitar noutras estrelas faz com que a a barreira dos 400 planetas extra-solares tenha sido ultrapassada".

Os planetas encontrados são "gigantes", como explicou o cientista: "A maioria é semelhante a Júpiter. Outra percentagem são planetas do tamanho da Terra."

Esta descoberta aconteceu no âmbito do projecto HARPS (Localizador de Alta Precisão de Planetas por Velocidade Radial, em português) . A técnica do telescópio parece simples quando explicada por Nuno Santos: "Não é só o planeta que orbita a estrela, mas a estrela também orbita o planeta", diz o cientista. Por isso, a estrela "vai oscilar no céu, umas vezes afastando-se de nós, outras aproximando-se". Ou seja, "a velocidade da estrela vai variar periodicamente se ela tiver um planeta à sua volta", explica o investigador, que aclarou que é através da medição dessa mesma velocidade que se pode detectar novos planetas.

Stéphane Udry, do Observatório de Genebra, disse estar convencido de que "que há vida noutros planetas" e que uma boa aproximação à confirmação desta teoria seria "encontrar vestígios de vida na atmosfera dos planetas detectados". Para isso - acrescentou - são necessários "enormes telescópios, provavelmente no espaço", sendo este um processo que "demorará pelo menos 20 anos, para ter o projeto aceito, conseguir o dinheiro, construir e mandar os telescópios para o espaço".

O HARPS "é um instrumento único com um espectógrafo de alta precisão construído para procurar planetas semelhantes à Terra", diz o cientista. Está instalado num telescópio da ESO - Observatório Europeu do Sul - em La Silla, no Chile.

Nos últimos cinco anos, foram 75 os planetas já descobertos pelo HARPS, onde se incluem aqueles anunciados ontem.

Mas esta ferramenta não é suficiente, por isso vai-se recorrer a outra: o ESPRESSO. Este programa, onde Nuno Cardoso Santos também está envolvido, poderá detectar planetas com uma precisão de dez centímetros por segundo.

"Estamos a dar passos muito importantes na participação num consórcio que vai construir um novo instrumento - ESPRESSO - o que significa um salto qualitativo e vai permitir descobrir outros planetas habitáveis, parecidos com a Terra, a orbitar estrelas parecidas com o nosso Sol", sustentou o investigador português, doutorado em Astronomia e Astrofísica.

Nuno Cardoso Santos avançou com 2014 como a data em que este novo projecto estará pronto.

"O ESPRESSO vai dar novas dimensões aos planetas descobertos e vai permitir um maior sucesso", conclui.

Notícia veiculada em 19.07.2009.



Fonte: http://dn.sapo.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=1395670

A MENTIRA DESCOBERTA

Postado por Norma Villares


O Dr.Arun Gandhi, neto de Mahatma Gandhi e fundador do Instituto M.K. Gandhi para a Vida Sem Violência, em sua palestra de 9 de junho, na Universidade de Porto Rico, compartilhou a seguinte história como exemplo da vida sem violência exemplificada por seus pais:


"Eu tinha 16 anos e estava vivendo com meus pais no instituto que meu avô havia fundado, a 18 milhas da cidade de Durban, na África do Sul, em meio a plantações de cana de açúcar.

Estávamos bem no interior do país e não tínhamos vizinhos.

Assim, sempre nos entusiasmava, às duas irmãs e a mim, poder ir à cidade visitar amigos ou ir ao cinema. Certo dia, meu pai me pediu que o levasse à cidade para assistir a uma conferência que duraria o dia inteiro, e eu me
apressei de imediato diante da oportunidade.

Como iria à cidade, minha mãe deu-me uma lista de coisas do supermercado, as quais necessitava, e, como iria passar todo o dia na cidade, meu pai me pediu que me encarregasse de algumas tarefas pendentes, como levar o carro à oficina.

Quando me despedi de meu pai, ele me disse: 'Nós nos veremos neste local às 5 horas da tarde e retornaremos a casa juntos.'

Após, muito rapidamente, completar todas as tarefas, fui ao cinema mais próximo. Estava tão concentrado no filme, um filme duplo de John Wayne, que me esqueci do tempo.

Eram 5:30 da tarde, quando me lembrei. Corri a oficina peguei o carro e fui até onde estava combinado, meu pai estava me esperando. Já eram quase 6 horas da tarde.


Ele me perguntou com ansiedade: 'Por que chegaste tarde?' Eu me sentia mal com o fato e não lhe podia dizer que estava assistindo um filme de John Wayne. Então, eu lhe disse que o carro não estava pronto e que tive que esperar, isso eu disse sem saber que meu pai já havia ligado para a oficina.

Quando ele se deu conta de que eu havia mentido, disse-me: 'Algo não anda bem, na maneira pela qual te tenho educado, que não te tem proporcionado confiança em dizer-me a verdade. Vou refletir sobre o que fiz de errado contigo.

Vou caminhar as 18 milhas à casa e pensar sobre isto.

Assim, vestido com seu traje e seus sapatos elegantes, começou a caminhar até a casa, por caminhos que nem estavam asfaltados nem iluminados.


Não podia deixá-lo só. Assim, dirigi por 5 horas e meia atrás dele, vendo meu pai sofrer a agonia de uma mentira estúpida que eu havia dito.
Decidi, desde aquele momento, que nunca mais iria mentir.
Muitas vezes me recordo desse episódio e penso.

Se ele me tivesse castigado do modo que castigamos nossos filhos, teria eu aprendido a lição?

Não acredito!

Se tivesse sofrido o castigo, continuaria fazendo o mesmo. Mas, tal ação de não-violência foi tão forte que a tenho impressa na memória como se fosse ontem.


Este é o poder da vida sem violência."

...................................................... x ........................................................


No livro auto-biográfico Mahatma Gandhi conta inúmeras histórias em que fazia jejum, por causa dos erros de seus filhos, para fazer uma reflexão sobre a forma de educá-los.

Por desconhecer o autor, não coloco o crédito.


LIÇÕES DE SABEDORIA DO BAMBU

Postado por Norma Villares


Todas as tradições ancestrais chinesas, japonesas fornece ricas lições sobre o bambu, que servem para orientações para uma vida com reflexão. A simbologia chinesa trás várias significações para o bambu.

Para à queles que praticam o TAI CHI CHUAN o bambu simboliza 'Saúde e Longevidade' não somente a juventude eterna, mas a utilidade da velhice, como realizar caminhos para obter tempo e saúde para cumprir melhor a trajetória reencarnatória.

Para os Taoístas, os verdadeiros mestres do 'Caminho', os bambus representam a beleza da natureza em festa, a força e a vitalidade. Sempre está associado à elegância, pela graciosidade e pelo porte imponente de seus ramos, que atinge a altura de 24 metros, bem como pela harmonia com se unem num bambuzal.

A natureza festiva de um bambuzal, com o verde magnífico refletem a alegria e a paz que almejamos no dia a dia.

O bambu sendo planta de caule flexível, durante as tempestades tenebrosas, eles vergam, ele descem a terra, eles dançam sob as fúrias dos ventos, de pois volta a se ergue altivo e forte. Ele verga, mas não é derrubado, servindo de exemplo para o humano, de como, encarar as dificuldades.

Um conto Taoista:


Existia uma grande floresta, cheia de árvores grandes de porte largo, e junto delas ricos bambuzais soberbamente embelezavam a floresta. Num período de grandes tempestade, com raios, trovões, fortes ventos, muitas arvores grandes e medianas acabaram-se no chão, apenas restaram os bambuzais e uma árvore larga de grande porte. Após certo período, até essa árvore não suportou a força dos ventos, e derrotada tombou ao chão. Essa história era passada oralmente como aprendizado, mostrando que a resitência do bambu aos ventos fortíssimos, ocorria por causa de sua flexibilidade. E como os chineses sempre buscavam a utilidade dos sinais, e assim os bambus foram utilizados em construções.


Outro conto Taoista:

Certa vez, um mestre Taoista olhando um lindo bambuzal, ensina a seu discípulo sobre as reflexões e as pontes que poderiam ser feitas com aquela planta, informando que o bambuzal trazia orientações para uma vida de paz no coração, e inicia ensinando as setes lições do bambu:

A primeira verdade: que o bambu nos ensina, e a mais importante, é a humildade diante dos problemas, das dificuldades. Eu não me curvo diante do problema e da dificuldade, mas diante daquele, o único, o princípio da paz, aquele que me chama, que é o Senhor.

A segunda verdade: o bambu cria raízes profundas. É muito difícil arrancar um bambu, pois o que ele tem para cima ele tem para baixo também. Você precisa aprofundar a cada dia suas raízes em Deus na oração.

A terceira verdade: Você já viu um pé de bambu sozinho? Apenas quando é novo, mas antes de crescer ele permite que nasça outros a seu lado (como no cooperativismo). Sabe que vai precisar deles. Eles estão sempre grudados uns nos outros, tanto que de longe parecem com uma árvore. Às vezes tentamos arrancar um bambu lá de dentro, cortamos e não conseguimos. Os animais mais frágeis vivem em bandos, para que desse modo se livrem dos predadores.

A quarta verdade: que o bambu nos ensina é não criar galhos. Como tem a meta no alto e vive em moita, comunidade, o bambu não se permite criar galhos. Nós perdemos muito tempo na vida tentando proteger nossos galhos, coisas insignificantes que damos um valor inestimável. Para ganhar, é preciso perder tudo aquilo que nos impede de subirmos suavemente.

A quinta verdade: é que o bambu é cheio de “nós” ( e não de eu’s ). Como ele é oco, sabe que se crescesse sem nós seria muito fraco. Os nós são os problemas e as dificuldades que superamos. Os nós são as pessoas que nos ajudam, aqueles que estão próximos e acabam sendo força nos momentos difíceis. Não devemos pedir a Deus que nos afaste dos problemas e dos sofrimentos. Eles são nossos melhores professores, se soubermos aprender com eles.

A sexta verdade: é que o bambu é oco, vazio de si mesmo. Enquanto não nos esvaziarmos de tudo aquilo que nos preenche, que rouba nosso tempo, que tira nossa paz, não seremos felizes. Ser oco significa estar pronto para ser cheio do Espírito Santo.
Por fim,

A sétima verdade: ele só cresce para o alto. Ele busca as coisas do Alto. Essa é a sua meta.



Assim, os BAMBUS serviam para reflexões e simbologias profundas para crescimento da alma. Os bambus não vivem isolados, onde tem um bambu logo aparecerá um bambuzal, pois eles vivem melhor em comunidade, esse é outro aprendizado do bambuzal.

Os budistas chamam-lhe da "Benção do Buda", contam que o Buda quando presentiu a sua morte, retirou-se para uma floresta de bambus.
E para os japoneses o bambu sinaliza ao homem como alcançar a paz interior.

Os monges budistas fabricavam pincéis exclusivamente de bambu, desfiando as fibras das pontas, em sinal de respeito pela vida animal, agindo dessa forma não utiliza pêlos animais.

Na vida precisamos aprender com essas tradições ancestrais, que ensina a utilizar a sabedoria da natureza, ajudando na vida cotidiana para melhor compreender o interior da alma.

Ao chegar em Salvador-BA, a primeira recepção é de um lindo e verde corredor de bambus, com riqueza de sombras e brisas suaves, esse bambuzal diz aos visitantes:

"Sejam Bem vindos, alcancem alegrias e paz interior nessa cidade enigmática."

Paz Profunda!


A MENTE APAGA REGISTROS DUPLICADOS

Postado por Norma Villares


O cérebro humano mede o tempo por meio da observação dos movimentos.

Se alguém colocar você dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília, sem portas ou janelas, sem relógio.... você começará a perder a noção do tempo.

Por alguns dias, sua mente detectará a passagem do tempo sentindo as reações internas do seu corpo, incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono, fome, sede e pressão sanguínea.

Isso acontece porque nossa noção de passagem do tempo deriva do movimento dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol.

Compreendido este ponto, há outra coisa que você tem que considerar:

Nosso cérebro é extremamente otimizado.

Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho.

Um adulto médio tem entre 40 e 60 mil pensamentos por dia.

Qualquer um de nós ficaria louco se o cérebro tivesse que processar conscientemente tal quantidade.

Por isso, a maior parte destes pensamentos é automatizada e não aparece no índice de eventos do dia e, portanto, quando você vive uma experiência pela primeira vez, ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo.

É quando você se sente mais vivo.

Conforme a mesma experiência vai se repetindo, ele vai simplesmente colocando suas reações no modo automático e 'apagando' as experiências duplicadas.

Se você entendeu estes dois pontos, já vai compreender porque parece que o tempo acelera, quando ficamos mais velhos e porque os Natais chegam cada vez mais rapidamente.

Quando começamos a dirigir automóveis, tudo parece muito complicado, nossa atenção parece ser requisitada ao máximo.

Então, um dia dirigimos trocando de marcha, olhando os semáforos, lendo os sinais ou até falando ao celular ao mesmo tempo.

Como acontece?

Simples: o cérebro já sabe o que está escrito nas placas (você não lê com os olhos, mas com a imagem anterior, na mente); O cérebro já sabe qual marcha trocar (ele simplesmente pega suas experiências passadas e usa , no lugar de repetir realmente a experiência).

Ou seja, você não vivenciou aquela experiência, pelo menos para a mente. Aqueles críticos segundos de troca de marcha, leitura de placa são apagados de sua noção de passagem do tempo.

Quando você começa a repetir algo exatamente igual, a mente apaga a experiência repetida.

Conforme envelhecemos as coisas começam a se repetir - as mesmas ruas, pessoas, problemas, desafios, programas de televisão, reclamações, -.... enfim... as experiências novas (aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade, fazendo com que seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades), vão diminuindo.

Até que tanta coisa se repete que fica difícil dizer o que tivemos de novidade na semana, no ano ou, para algumas pessoas, na década.

Em outras palavras, o que faz o tempo parecer que acelera é a...

R O T I N A


A rotina é essencial para a vida e otimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, seu diário acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos.

Felizmente há um antídoto para a aceleração do tempo: M & M (Mude e Marque).

Mude, fazendo algo diferente e marque, fazendo um ritual, uma festa ou registros com fotos.

Mude de paisagem, tire férias com a família (sugiro que você tire férias sempre e, preferencialmente, para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte) e marque com fotos, cartões postais e cartas.

Tenha filhos (eles destroem a rotina) e sempre faça festas de aniversário para eles, e para você (marcando o evento e diferenciando o dia).

Use e abuse dos rituais para tornar momentos especiais diferentes de momentos usuais.

Faça festas de noivado, casamento, 15 anos, bodas disso ou daquilo, bota-foras, participe do aniversário de formatura de sua turma, visite parentes distantes, entre na universidade com 60 anos, troque a cor do cabelo, deixe a barba, tire a barba, compre enfeites diferentes no Natal, vá a shows, cozinhe uma receita nova, tirada de um livro novo.

Escolha roupas diferentes, não pinte a casa da mesma cor, faça diferente.

Beije diferente sua paixão e viva com ela momentos diferentes.

Vá a mercados diferentes, leia livros diferentes, busque experiências diferentes.

Seja diferente.

Se você tiver dinheiro, especialmente se já estiver aposentado, vá com seu marido, esposa ou amigos para outras cidades ou países, veja outras culturas, visite museus estranhos, deguste pratos esquisitos... em outras palavras... V-I-V-A. !!!

Porque se você viver intensamente as diferenças, o tempo vai parecer mais longo.

E se tiver a sorte de estar casado(a) com alguém disposto(a) a viver e buscar coisas diferentes, seu livro será muito mais longo, muito mais interessante e muito mais v-i-v-o... do que a maioria dos livros da vida que existem por aí.

Cerque-se de amigos.

Amigos com gostos diferentes, vindos de lugares diferentes, com religiões diferentes e que gostam de comidas diferentes.

Enfim, acho que você já entendeu o recado, não é?

Boa sorte em suas experiências para expandir seu tempo, com qualidade, emoção, rituais e vida.

E S CR EVA em tAmaNhoS DIFERenTes e em CorES di fE rEn tEs !

CRIE, RECORTE, PINTE, RASGUE, MOLHE, DOBRE, PICOTE, INVENTE, REINVENTE...

V I V A !!!!!!!!

Fonte: Artigo do Jornal 'O Estado de São Paulo', por Airton Luiz Mendonça


PURNA MANTRA

Postado por Norma Villares





Ao ouvir esse mantra, fiquei em silêncio, refletindo sobre o poder da música que vibra n'alma e depois de ouví-la a energia do mantra impõe um silêncio interno e externo.

O ocidental tem horror do silêncio, uma neurose coletiva, a selfobia. Se o silêncio ameaça, ligamos o rádio, a TV, abrimos o jornal...

O vazio e o silêncio é um presente Cósmico, que traz na sacola a vacuidade. Parada para reflexão, concentração e meditação. Cura e transformação conspirando para saúde e plenitude.

Nesse tempo de silêncio lúcido, é preciso estar no vazio essencial para perceber os sons mágicos das esferas e vibrar com as canções da vida. Silêncio é pleno de vida, de inteligência, de espírito, da mais linda energia.

"Silenciosas são as trajetórias dos astros e dos átomos".

É o momento do verdadeiro encontro do "SI", entrada de um estado de sutil vibração na consciência do SI. Parada para retornar ao "SI", da rica fase curativa dos barulhos internos e externos.

O Universo conspira por nós.

A Arte de calar é importante e essencial para despertar as células sutis da alma, rastreando sentimentos e tocando-os profundamente para o abrir-se a pura energia do Cosmo.

Fundamental é inspirar, soltar, concentrar, meditar e ser feliz.

Agora feche os olhos, fique em silêncio e ouça o PURNA MANTRA. Esse mantra toca profundamente a alma.

Depois silencie.

Silêncio

Silêncio

Silêncio

SINO DA PAZ

Postado por Norma Villares





Por ocasião da inauguração do "Sino da Paz" em Brasília, Pierre Weil foi convidado, apesar de não ter comparecido, fez o seu discurso de agradecimentos:

"Hoje é um dia muito especial e simbólico nesta conjuntura mundial e nacional em que a própria violência se torna sadismo e crueldade em jovens e adultos. Poucas são as atividades humanas e grupos sociais que escapam das inúmeras agressões cotidianas. A guerra entrou nos nossos lares, entrou na própria gente, pois, como o expressa um lema da UNESCO, as guerras nascem no espírito dos homens, logo é no seu espírito que devem ser erguidos as defesas da Paz.

Na mesma hora em que se realiza esta cerimonia, numa celebração paralela o governador CRISTOVAM BUARQUE está inaugurando a Praça de Gaudino, o Índio cruelmente incendiado por jovens irresponsáveis.

Muitos podem se perguntar para que inaugurar um Sino da Paz? O que adianta isto diante da complexidade da situação do mundo, do Brasil?

O Sino é o mais antigo e tradicional instrumento de comunicação. Haja no mundo muitos sinos a nos lembrar, a todo instante que precisamos cultivar paz, amor, harmonia, plenitude, beleza e verdade. O sino está aí, para nos lembrar tudo isto, através da profundidade da sua vibração. O Sino da Paz pode pois ser poderoso instrumento de apoio às medidas interdisciplinares indispensáveis à resolução do grande problema da violência.

A idéia do Sino da Paz, nasceu no Japão, terra de Hiroshima e Nagasaki, para lembrar ao mundo que: "bomba atômica, nunca mais!". Quero aqui agradecer o senhor Tomijiro Yoshida, Presidente da Internacional Peace Bell Association, por te confiado a administração do Sino do Brasil, à UNIPAZ, terceira Universidade da Paz do mundo, depois de Tóquio e Costa Rica. A sugestão foi do Senhor embaixador, Ex-governador do Distrito Federal, Ministro José Aparecido de Oliveira, idealizador da UNIPAZ, que acaba de mandar a seguinte mensagem:


MENSAGEM
"Esteja certo de que aqui em Portugal saberei ouvir, com os ouvidos da alma, o toque do Sino da Paz de Tóquio, que anunciará, na cerimônia ecumênica de 27 de abril, a alegria e as esperanças de nossa cidade de Brasília, na qual a UNIPAZ há de permanecer como um dos marcos mais significativos da geografia espiritual da querida capital de nosso país".

O ideal da Paz, entendido não apenas como a ausência da guerra mas sim como a garantia de condições que permitam o pleno desenvolvimento espiritual e material do ser humano, é uma das mais arraigadas e nobres aspirações da Humanidade. A constante busca de sua realização é, assim, dever de todos, sobretudo daqueles que as circunstâncias colocaram na condição de governantes.

Esta mensagem consiste um verdadeiro apelo para a mobilização das forças políticas, administrativas e educacionais do país, para iniciar o esforço inter e transdisciplinar a qual me referi.

Aqui nesta UNIPAZ, que festeja este ano, o seu décimo aniversário, montamos uma série de métodos de Educação da Paz, um deles publicado pela UNESCO, e editado em seis línguas. Uma Campanha permanente de Educação para a Paz e Não Violência, o Programa Beija-Flor, conta com o apoio da Presidência da república e da UNESCO.

Como o afirma o Diretor Geral desta entidade das Nações Unidas, o Doutor Frederico Mayor, o Mundo está dominado por uma Cultura de Guerra e de Violência; é preciso transformá-la numa Cultura de Paz.

É nisto que estamos empenhados na Universidade da Paz de Brasília. Esta missão, é ainda mais complexa, se se considerar que o Brasil é uma Cultura de Paz, ameaçada pela Cultura de Violência no Mundo.

Aqui é a terra do mutirão, do jeitinho, do "deixa disto", da convivência harmoniosa de várias raças e culturas, da alegria da Escola de Samba e sobretudo do abraço.

O Brasil tem muitos abraços para exportar...

Pois, é na capital desta Cultura da Paz, na hora que se multiplicam os sinais da sua deterioração pela miséria, pela fome, pelo narcotráfico pelo crescimento demográfico, pela permanência de um paradigma de fragmentação que fez desmoronar valores espirituais na educação familiar e escolar, que surge este belo símbolo de Paz.

Comprometemo-nos a tocá-lo no início de cada curso ou evento de Paz realizado nesta Universidade, assim como no Dia das Nações Unidas e outros eventos mundiais de destaque.

A vibração do Sino da Paz em nossos corações, irá nos lembrar que precisamos despertar a Paz dentro de cada um de nós.

E AGORA UMA HISTÓRIA:

Era uma vez um Beija-Flor fugindo de um incêndio junto com todos os animais de uma floresta. Só que o Beija-Flor fazia uma coisa diferente: tomava gotas de água de um lago e as jogava no fogo. Um tatu, intrigado, perguntou:

"Beija-Flor, você acha que vai apagar o incêndio com estas gotas?" "Com certeza não!" respondeu o Beija-Flor. "Mas eu faço a minha parte..."

Se todos os cidadãos e educadores do Brasil fizerem a sua parte, podemos, unidos, contribuir para despertar a PAZ no coração dos homens

É o nosso voto o mais profundo, que cada um dos presentes, ao tocar o Sino da Paz ou ao ouvi-lo, se torne um beija-flor da Paz.
Pierre Weil

S A U D A D E S



Hoje faz um ano que esse Dragão da Paz fez a passagem, deixando uma lacuna na alma de cada ser humano que ele tocou com seus ensinamentos e sua simplicidade. Em todos os seus seminários ele encerrava com este cântico que elevava a alma para as dimensões sutis da Paz.





SHALON ALECHEM (Hebraico)
SHALON ALECHEM
SHALON SHALON
SHALON ALECHEM
SHALON ALECHEM
SHALON SHALON

SALAM ALECUM (árabe)
SALAM ALECUM
SALAM SALAM
SALAM ALECUM
SALAM ALECUM
SALAM SALAM

OM SHANTI (sânscrito)
OM SHANTI
OM SHANTI
OM SHANTI OM
OM SHANTI
OM SHANTI OM


PINAM PANI (Chinês)
PINAM PANI
PINAM PANI
PINAM PANI
PINAM PANI
PINAM PANI

MAY PEACE BE IN YOU (inglês)
MAY PEACE BE IN YOU
MAY PEACE BE IN YOU
MAY PEACE BE IN YOU
MAY PEACE BE IN YOU
MAY PEACE BE IN YOU

LA PAIX EN TOI (francês)
LA PAIX EN TOI
LA PAIX EN TOI
LA PAIX EN TOI
LA PAIX EN TOI
LA PAIX EN TOI

LA PAZ EN USTED (espanhol)
LA PAZ EN USTED
LA PAZ LA PAZ
LA PAZ EN USTED
LA PAZ EN USTED
LA PAZ LA PAZ

A PAZ EM VOCÊ (português)
A PAZ EM VOCÊ
A PAZ A PAZ
A PAZ EM VOCÊ
A PAZ EM VOCÊ
A PAZ A PAZ


Ele despede dizendo:


“Jogo a garrafa ao mar. Quem a encontrar que apanhe a mensagem nela contida e, se quiser, e achar oportuno e viável, beneficie a si mesmo e a própria humanidade. É esse o meu último voto.” Pierre Weil

Pierre, envolva-se na grandiosa Luz Divina, você que sempre foi luz e paz nos caminhos de muitos seres humanos.
Luz para Luz!








MOVIMENTO PAZ PELA PAZ

Postado por Norma Villares




O Movimento Internacional pela Paz e Não-Violência surgiu em 1991, em Feira de Santana, Bahia, numa época em que a cidade passava por uma onda de violência muito intensa e, após viagem do professor Clóvis Nunes à Índia. Nessa viagem, o idealizador do MOVPAZ visitou o líder espiritual Sai Baba e o museu Mahatma Ghandi, além de conhecer o trabalho social e espiritual de Madre Teresa de Calcutá.

Ele ficou profundamente tocado com as experiências vividas na Índia, em especial com o legado de não-violência ativa de Gandhi. Inspirado nesses pacifistas e outros como Francisco de Assis, Chico Xavier, Martin Luther King, Albert Schweitzer e Steve Biko, Clóvis Nunes fundou o MOVPAZ junto com um grupo de voluntários.

Hoje o MOVPAZ desenvolve ações nos estados da Bahia, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Rio Grande do Norte, Paraná, Espírito Santo, Ceará, Minas Gerais e outros.

AS 21 AÇÕES DO MOVPAZ

O Movimento Internacional pela Paz e Não-Violência se desenvolve, na prática, por intermédio das 21 ações previstas pelo projeto Paz pela Paz:

Realização do Seminário Paz pela Paz e Não-Violência;

Conferência pela Paz, que marca a oficialização do MOVPAZ na cidade;

Formação do Comitê pela Paz e Não-Violência;

Lei que institui o Dia Municipal da Paz;

Atos de paz envolvendo diversos segmentos da sociedade civil;

A Paz nas Escolas: concurso de construção de texto com o título “Paz pela paz e não-violência”;

Implantação do estudo da paz nas escolas;

Seminário “Ensinando a ensinar a paz” e a Semana da Cultura da Paz;

Construção da Casa da Paz (memorial sobre assuntos de paz);

Campanha de Desarmamento.

Caminhada pela Paz, evento de maior visibilidade do Movimento que tem contado com a participação de milhares de pessoas, sempre ajudado por Nando Cordel, excelente compositor, instrumentista e cantor brasileiro, com músicas de sucesso como "De Volta pro Aconchego", "Isso aqui é bom demais", "Dia de Folia", "Gostoso demais" e tantas outras .

Em todos os anos, Nando Cordel promove a Caminhada da Paz em Recife, e apóia várias campanhas e projetos em todo Brasil. Fez uma canção intitulada "Paz Pela Paz", que se tornou o canto da paz em muito eventos.

Você pode construir em sua cidade o MOVPAZ, basta realizar as ações.




PAZ PELA PAZ
Composição: Nando Cordel

A paz do mundo
Começa em mim
Se eu tenho amor,
Com certeza sou feliz
Se eu faço o bem ao meu irmão,
Tenho a grandeza dentro do meu coração
Chegou a hora da gente construir a paz
Ninguém suporta mais o desamor

Paz pela paz - pela criança
Paz pela paz - pela floresta
Paz pela paz - pela coragem de mudar.
Paz pela paz - pela justiça
Paz pela paz - a liberdade
Paz pela paz - pela beleza de te amar.

(repetir a 1ª estrofe)

Paz pela paz - pro mundo novo
Paz pela paz - a esperança
Paz pela paz - pela coragem de mudar.
Paz pela paz - pela justiça
Paz pela paz - a liberdade
Paz pela paz - pela beleza de te amar.


Vamos cantar essa música para alegrar o coração e pacificar as emoções. Esse sucesso que toca a alma e liberta a paz interior e exterior, irradiando para os quatros cantos do mundo.

Confira o video e a letra desta canção que é um verdadeiro mantra pela paz e amor entre as pessoas.

Paz Profunda!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Caminheiros Evolutivos

Muito obrigada pela sua presença iluminada

Muito obrigada pela sua presença iluminada