PESQUISA SOBRE O CÉREBRO

Postado por Norma Villares


Estudo: cérebro mais velho pode de fato ser mais sábio

Sara Reistad-Long

Quando as pessoas mais velhas não conseguem se lembrar de nomes, em uma festa, tendem a considerar que seu poder cerebral está em declínio. Mas crescente número de estudos sugere que essa suposição é muitas vezes incorreta. Em lugar disso, aponta a pesquisa, o cérebro mais idoso está simplesmente absorvendo mais dados e tentando filtrar informações em meio ao ruído, de maneira que muitas vezes o beneficia posteriormente. Os estudos foram analisados em uma nova edição de Progress in Brain Research, um manual de neurologia.

Alguns cérebros se deterioram com a idade. O Mal de Alzheimer, por exemplo, aflige 13% dos norte-americanos com mais de 65 anos. Mas, para a maioria dos adultos mais velhos, muito do que ocorre é uma ampliação gradual do foco de atenção que torna mais difícil absorver e reter apenas um fato, como um nome ou número de telefone. Ainda que isso possa causar frustração, é uma característica muitas vezes útil.

"Pode ser que essa tendência à distração não seja, de fato, algo de ruim", disse Shelley H. Carson, pesquisador de psicologia na Universidade Harvard cujo trabalho é mencionado no livro. "Pode ser que isso aumente o volume de informações disponível para a mente consciente".

Por exemplo, em estudos nos quais os participantes eram convidados a ler passagens literárias interrompidas por palavras e frases inesperadas, os participantes com 60 anos ou mais trabalhavam muito mais devagar que as pessoas de idade universitária. Enquanto os estudantes atravessavam os testes em velocidade consistente, não importa quais fossem as palavras deslocadas, as pessoas mais velhas tendiam a desacelerar ainda mais seu ritmo ao encontrar palavras não relacionadas ao tópico. Isso indica que elas estão absorvendo e processando novas informações, em lugar de ignorá-la.

Mais tarde, quando os dois grupos tiveram de responder a perguntas para as quais as palavras não relacionadas podiam ser as respostas, o índice de acertos entre os mais velhos foi muito superior ao constatado entre os universitários.

"Para as pessoas mais jovens, é como se aquela distração jamais tivesse acontecido", disse a autora do estudo, Lynn Hasher, professora de psicologia na Universidade de Toronto e diretora científica do Instituto de Pesquisa Rotman. "Mas, para as pessoas mais velhas, porque elas haviam retido todos aqueles dados adicionais, repentinamente a capacidade de solucionar problemas parecia crescer. Elas conseguem transferir a informação que absorveram de uma situação para outra".

Tendências como essas podem resultar em grandes vantagens no mundo real, onde nem sempre é claro que informação é importante ou virá a se tornar importante. Um ponto ou sugestão aparentemente irrelevante em um memorando pode adquirir importância nova caso o plano original seja alterado. Ou detalhes adicionais que atraíram a atenção do observador, como os bocejos e a impaciência demonstrada nos gestos de outros presentes, podem ajudá-lo a avaliar o real impacto de uma palestra.

"Um índice de atenção elevado pode permitir que os mais velhos em última análise saibam mais sobre uma situação e sobre a mensagem indireta que está sendo transmitida, se comparados aos mais jovens", disse Hasher. "Acreditamos que essa característica possa desempenhar papel significativo para explicar por que pensamos nas pessoas mais velhas como mais sábias".

Em um estudo conduzido em Harvard em 2003, Carson e outros pesquisadores testaram a capacidade de estudantes para ignorar informações irrelevantes quando expostos a uma barragem de estímulos. Quanto mais criativos os estudantes fossem considerados, com base em um questionário sobre suas passadas realizações, mais problemas eles enfrentavam para ignorar os dados indesejados. Uma capacidade reduzida de excluir material e determinar prioridades, concluíram os cientistas, pode contribuir para o pensamento original.

Esse fenômeno, disse Carson, muitas vezes fica vinculado a um decréscimo da atividade no córtex pré-frontal. Estudos constataram que pessoas que sofreram lesões ou doenças que causam redução das atividades nessa região cerebral adquirem mais interesse em empreitadas criativas.

Jacqui Smith, professora de psicologia e pesquisadora no Instituto de Pesquisa Social da Universidade do Michigan, que não participou das atuais pesquisas, disse que existe uma palavra para designar o resultado quando um cérebro é capaz de assimilar dados e atribuir o local correto a eles, sabedoria. "Essas constatações são todas muito compatíveis com o contexto que estamos construindo para uma definição de sabedoria", ela afirmou. "Caso as pessoas mais velhas absorvam mais informações de uma situação, e forem capazes de combiná-las à sua reserva comparativamente maior de conhecimento geral, elas desfrutarão de uma boa vantagem".

Fonte: http://www.mx.terra.com/tecnologia/interna/0,,OI2905669-EI8147,00.html
Tradução: Paulo Migliacci ME


2 comentários:

  1. Norma Villares disse...

    Gente que notícia boa!

  2. Viveka disse...

    Notícias boas mesmo. Precisamos envelhecer com sabedoria.
    Bijus

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Caminheiros Evolutivos

Muito obrigada pela sua presença iluminada

Muito obrigada pela sua presença iluminada