BUDA, O DESPERTO

Postado por Norma Villares

Buda viveu no século VI antes de Cristo. Esse século foi marcado por grande atividade, tanto social quanto intelectual. Foi a era de ouro, ou do apogeu da história das religiões; notável pela inquietude espiritual e agitação intelectual em muitos países. O aparecimento de mestres religiosos no Oriente e no Ocidente, nesse período, foi quase contemporâneo.


A História já testemunhara as mudanças radi­cais das condições sociais e religiosas em Roma e na Grécia. En­quanto Heráclito ensinava a doutrina Panta Rhei, ou a teoria do fluxo, em Atenas Pitágoras dirigia a sua já famosa escola. Na China havia Lao-Tsé, que ativava a mente dos homens com os ensinamentos sobre Taoísmo. Na Pérsia, atual Ira, havia Zaratustra ou Zoroastro, como era chamado pelos gregos. Na índia, Mahavira foi o expoente do Jainismo.

Assim, há dois mil e quinhentos anos atrás, as crenças religiosas não se haviam consolidado em dogmas. A religião era associada à filosofia especulativa e havia um espírito de larga tolerância que abrangia muitas escolas de pensamento. Juntamente com a maior parte do mundo antigo, a maioria dessas escolas aceitava a reencarnação como fato básico. Para os homens inteligentes, sempre parecera im­possível que a vida pudesse chegar a um fim com a desintegração do corpo físico e, se assim fosse, era igualmente difícil imaginar que ela aparecesse pela primeira vez com o nascimento físico. Em toda a Natureza há um princípio de continuidade em mudança, que nós so­mos capazes de sentir dentro de nós mesmos, e é isso que tem dado incremento ao conceito de uma alma imortal no homem.

A iluminação de Gautama Buda modificou a idéia de uma "alma* que transmigra, mas o princípio do renascimento permanece, e este, juntamente com a Lei do Carma *, " conforme você semear, você co­lherá", é que dá ao Budismo o seu código moral. Esses dois princípios, juntos, explicam todas as anomalias da vida, o problema do mal e do sofrimento no mundo.


Na índia, acreditava-se geralmente que o objetivo da vida religiosa era obter o supremo conhecimento, ou iluminação, que a maior parte das seitas julgava ser uma identificação de si próprio com a suprema Divindade (Deus), o Absoluto Impessoal, ou Brama. Havia, contudo, certas escolas que ensinavam o niilismo, e equivaliam aos nossos modernos sistemas agnósticos e materialistas.


O fundador desta grande religião, que é o Budismo, é conhecido como Buda, o Iluminado. Isto é apenas um título, e não um nome. Seu sobrenome era Gotama, ou Gautama em sânscrito, e seu nome próprio era Siddhartha (aquele que alcança o seu objetivo). Seu pai, Suddho-dana, era o soberano do reinado dos Sákyas, situado nas colinas ao pé dos Himalaias, na fronteira do Nepal. A rainha Maya era sua mãe. Seguindo os costumes da época, ele se casou muito jovem, aos dezesseis anos, com a delicada princesinha Yasodhara. Não lhe faltando nada dos prazeres mundanos, vivia feliz com a amorosa esposa. En­tretanto, com o avanço do tempo e maturidade, o príncipe começou a perceber as misérias do mundo. Confrontado com a realidade da vida e com o sofrimento da Humanidade, resolveu procurar uma so­lução e uma saída deste sofrimento, ou insatisfação universal. Aos 29 anos de idade, logo após o nascimento de seu filho único, Rábula, ele se retirou, solitário, em busca da solução: colocou-se sucessiva­mente sob a tutela de dois professores das escolas dos Vedas e dos Upanixades e tornou-se mestre em tudo o que elas foram capazes de ensinar no que concernia à união com Brama, não só em teoria, como em prática de meditação. Ele teve êxito de fato, obtendo identificação com a mais alta consciência, considerada a meta final da experiência religiosa. Em dias posteriores, quando já era o Buda, pôde dizer aos brâmanes de sua época que devia ser incluído entre os que tinham conhecido o mais alto estado espiritual, que era um "conhecedor dos Vedas" e era um dos que tinham "visto Brama face a face".


Mas ele achava que isso não era o bastante. Mesmo no mais alto plano espiritual, os deuses de Brama não estavam completamente li­bertos do processo de vida e morte; estavam, ainda, sujeitos a mudar e, conseqüentemente, sujeitos à incerteza e ao sofrimento. O que ele desejava era um estado completamente fora de todas as categorias de existência e não-existência, absolutamente livre de todos os laços da vida condicionada. Assim, ainda que a maioria dos homens esti­vesse satisfeita em aceitar a mais alta norma religiosa dos tempos e mesmo tomado lugar como um dos expoentes qualificados dessas doutrinas, ele procurou caminhos ignorados de conhecimento e estabeleceu seu objetivo além dos Vedas e Upanixades.


Após seis anos de intensos esforços e penitências, abandono mortificações, declarando, no seu primeiro discurso, que aqueles desejam conduzir uma vida espiritual devem evitar os dois extremos: a auto-indulgência e a autotortura. A auto-indulgência é baixa automortificacão é loucura; ambas são inaproveitáveis.


Há um Caminho Médio que conduz à serenidade, conhecimento, perfeita paz ou Iluminação (Nirvana); com resolução e confiam sua própria pureza e força, sem a ajuda de mestres, através meditação profunda, encontrou-se de posse da grande Verdade então, que se tornou o Buda. Achou que a fé que nutrira, todo todo o tempo num estado de absoluta liberação — estado no qual as condições de nascimento e morte, surgindo e extinguindo-se. nunca poderia estabelecer-se por si mesmas — havia sido justificada. Este estado chamado Nibbana (Nirvana); caracteriza-se pela extinção de toda afirmação da vida e causa da morte, qualidade de individualidade, o que significa que, pela total eliminação de todos esses ardentes instintos que nos prendem ao processo de vida, provoca repetidos renascimentos e em outras esferas.


Desta forma, realizou a Suprema Iluminação através compreensão das Quatro Nobres Verdades, as eternas Verdades são as concepções centrais de seus ensinamentos, a saber:


AS QUATRO NOBRES VERDADES


I. A Verdade de que toda vida sensível envolve sofrimento.


II. A Verdade de que a causa dos repetidos renascimentos e sofrimentos é a ignorância, associada ao desejo.


III. A Verdade de que esse processo de nascimento, morte e sofrimento pode ser levado para um fim somente com a obtenção do Nibbana (Nirvana).


IV. A Verdade de que o Nirvana pode ser alcançado seguindo-se com perfeição o Nobre Caminho Óctuplo que abrange Sila, Samadhi e Panna, isto é, moralidade, meditação e compreensão intuitiva.


* Karma em sâncrito, ou Kamma em páli (Lei de causa e efeito); não confundir como Kama(páli) que significa desejo dos prazeres sensuais.



Referência bibliográfica:

1. - DHAMMAPADA. Caminho da Lei. ATTHAKA. O livro das Oitavas. Doutrina Budista Ortodoxa em versos. Tradução e adaptação: Dr. Georges da Silva. Editora Pensamento. São Paulo, 1978.


Paz Profunda!

2 comentários:

  1. Marcos Takata disse...

    Belíssimo história! Meu baú de alegrias. Bijus

  2. Lívia Luz disse...

    As nobres verdades são maravilhosas, vou esperar postar. abraços

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Caminheiros Evolutivos

Muito obrigada pela sua presença iluminada

Muito obrigada pela sua presença iluminada