KALIL GIBRAN, O SENSÍVEL PENSADOR

Postado por Norma Villares


O libanês Gibran Khalil Gibran (1883-1931) é muito conhecido no mundo inteiro, sua arte inspirada pela mística e idealismo lhe renderam muitos livros, e distingue-se pela beleza e a pureza das formas.

Influenciado pela mística dos poetas sufis Rumi e Khayyam, dos séculos XI e XII que pertenceram a época de ouro da civilização islâmica, apesar da distância secular estes poetas sensíveis se encontram bem atuais. Bem como, foi influenciado por outras fonte como: Nietzsche, Willian Blake e a Biblia. Nos seus inúmeros livros ele trata de temas como o amor, a amizade, a morte e a natureza entre outros.

"Asas Partidas" é um livro que se destaca pela sensibilidade, nele o autor fala de sua primeira história de amor.

Outro livro que marcou sua existência foi o “O Profeta”, onde a beleza se fez presente com muita sensibilidade mística.

Depois escreve outros livros que são um tratado sobre a transcendência, como: O Precursor”; “O Louco”; Areia e Espuma”;Jesus, o Filho do Homem”; “Os Deuses da Terra”. E após sua morte foram publicados mais dois: “O Errante e o “O Jardim do Profeta”. Nestes livros há presença marcante de conceitos sufistas, mostrando o isolamento do poeta como sinal de sabedoria, preservação dos valores eternos do Espírito, contra um mundo cada vez mais insano, trazendo a transição da poesia transcendental do Século XIX ao XX. Estas obras fizeram dele um precursor da "Nova Era".


Sua Poesia promove a transmutação da consciência:

O PROFETA

Amai-vos um ao outro, mas não façais do amor um grilhão.

Que haja, antes, um mar ondulante entre as praias de vossa alma.

Enchei a taça um do outro, mas não bebais da mesma taça.

Dai do vosso pão um ao outro, mas não comais do mesmo pedaço.

Cantai e dançai juntos, e sede alegres, mas deixai cada um de vós estar sozinho.

Assim como as cordas da lira são separadas e, no entanto,vibram na mesma

harmonia.

Dai vosso coração,mas não o confieis à guarda um do outro.

Pois somente a mão da Vida pode conter vosso coração.

E vivei juntos, mas não vos aconchegueis demasiadamente.

Pois as colunas do templo erguem-se separadamente.

E o carvalho e o cipreste não crescem à sombra um do outro.



DIVINA MÚSICA!

Filha da Alma e do Amor.
Cálice da amargura e do Amor.
Sonho do coração humano, fruto da tristeza.
Flor da alegria, fragrância e desabrochar dos sentimentos.
Linguagem dos amantes, confidenciadora de segredos.
Mãe das lágrimas do amor oculto.
Inspiradora de poetas, de compositores e dos grandes realizadores.
Unidade de pensamento dentro dos fragmentos das palavras.
Criadora do amor que se origina da beleza.
Vinho do coração que exulta num mundo de sonhos.
Encorajadora dos guerreiros, fortalecedora das almas.
Oceano de perdão e mar de ternura.
Ó música.

Em tuas profundezas depositamos nossos corações e almas.
Tu nos ensinaste a ver com os ouvidos e a ouvir com os corações.



OS FILHOS
(Do Livro "O Profeta")

Uma mulher que carregava o filho nos braços disse: "Fala-nos dos filhos."

E ele falou:

Vossos filhos não são vossos filhos.

São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.

Vêm através de vós, mas não de vós.

E embora vivam convosco, não vos pertencem.

Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,

Porque eles têm seus próprios pensamentos.

Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;

Pois suas almas moram na mansão do amanhã,

Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.

Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,

Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.

Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.

O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força

Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.

Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:

Pois assim como ele ama a flecha que voa,

Ama também o arco que permanece estável.



O AMOR


E alguém disse:
Fala-nos do Amor:

- Quando o amor vos fizer sinal, segui-o;
ainda que os seus caminhos sejam duros e difíceis.
E quando as suas asas vos envolverem, entregai-vos;
ainda que a espada escondida na sua plumagem vos possa ferir.

E quando vos falar, acreditai nele;
apesar de a sua voz poder quebrar os vossos sonhos
como o vento norte ao sacudir os jardins.

Porque assim como o vosso amor vos engrandece, também deve crucificar-vos
E assim como se eleva à vossa altura
e acaricia os ramos mais frágeis que tremem ao sol, também penetrará até às raízes sacudindo o seu apego à terra.

Como braçadas de trigo vos leva.
Malha-vos até ficardes nus.
Passa-vos pelo crivo para vos livrar do joio.
Mói-vos até à brancura.
Amassa-vos até ficardes maleáveis.

Então entrega-vos ao seu fogo, para poderdes ser o pão sagrado no festim de Deus.
Tudo isto vos fará o amor, para poderdes conhecer os segredos do vosso coração,e por este conhecimento vos tornardes o coração da Vida.
Mas, se no vosso medo, buscais apenas a paz do amor, o prazer do amor,
então mais vale cobrir a nudez e sair do campo do amor, a caminho do mundo sem estações,onde podereis rir, mas nunca todos os vossos risos, e chorar,
mas nunca todas as vossas lágrimas.

O amor só dá de si mesmo, e só recebe de si mesmo.
O amor não possui nem quer ser possuído.
Porque o amor basta ao amor.
E não penseis
que podeis guiar o curso do amor;
porque o amor, se vos escolher, marcará ele o vosso curso.
O amor não tem outro desejo senão consumar-se.
Mas se amarem e tiverem desejos, deverão se estes:
Fundir-se e ser um regato corrente a cantar a sua melodia à noite.

Conhecer a dor da excessiva ternura.
Ser ferido pela própria inteligência do amor, e sangrar de bom grado e alegremente.
Acordar de manhã com o coração cheio e agradecer outro dia de amor.
Descansar ao meio dia e meditar no êxtase do amor.
Voltar a casa ao crepúsculo e adormecer tendo no coração
uma prece pelo bem amado, e na boca, um canto de louvor.



AINDA ONTEM PENSAVA QUE NÃO ERA


Ainda ontem pensava que não era

mais do que um fragmento trémulo sem ritmo

na esfera da vida.

Hoje sei que sou eu a esfera, e a vida inteira em fragmentos rítmicos move-se em mim.

Eles dizem-me no seu despertar:

" Tu e o mundo em que vives não passais de um grão de areia

sobre a margem infinita

de um mar infinito."

E no meu sonho eu respondo-lhes:

"Eu sou o mar infinito,

e todos os mundos não passam de grãos de areia

sobre a minha margem."

Só uma vez fiquei mudo.

Foi quando um homem me perguntou:

"Quem és tu?"





AMOR

Quando o amor acenar, siga-o ainda que por caminhos
ásperos e íngremes.

Debulha-o até deixá-lo nu.

Transforma-o, livrando-o de sua palha.

Tritura-o, até torná-lo branco.

Amassa-o, até deixá-lo macio;

e, então,submete ao fogo para que se transforma em pão
para alimentar o corpo e o coração!


Livro "O PROFETA" : http://www.starnews2001.com.br/kahlil/profeta.pdf


2 comentários:

  1. Norma Villares disse...

    Fazendo um teste.

  2. Marcos Takata disse...

    Kalil Gibran foi um poeta mística que deixou rastros iluminados. Bijus

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Caminheiros Evolutivos

Muito obrigada pela sua presença iluminada

Muito obrigada pela sua presença iluminada