BELAS HISTÓRIAS DE BÁAL SHEM TOV

Postado por Norma Villares


Um homem bem vestido foi certa vez visitar o Báal Shem Tov, levando-lhe grande soma de dinheiro a ser distribuída para caridade.

"Meu nome é Avigdor" — disse ele. "Sou um mercador bem posicionado na cidade de Brod."

O Báal Shem Tov aceitou o dinheiro e perguntou: "Reb Avigdor, como posso retribuir-lhe? Tem algum pedido a fazer?"

"Não, não tenho" — replicou Avigdor arrogantemente.

"Talvez uma bênção para seu sustento?" sugeriu gentilmente o Báal Shem Tov.

"Rebe, agradeço-lhe" — replicou Avigdor — "mas tenho muito sucesso em meus negócios por vários anos. Tenho uma mente privilegiada e várias empresas, mesmo que uma delas fracassasse, eu ainda teria outras dez, que me proporcionam um lucro considerável. Não tenho preocupações sobre ganhar o sustento, nem reclamações a fazer."

"Graças a Deus" — disse o Báal Shem Tov com ênfase. Sentia pena de um homem tão inconsciente a ponto de não se lembrar que todo o sucesso é devido à bênção de Deus. Nem ao menos lhe ocorreu dizer Baruch Hashem ("Graças a Deus!") por sua fortuna e felicidade.

O Báal Shem Tov tentou um outro ângulo .

"Avigdor, como está sua família? Sua saúde? Seus filhos?" Esperava que Avigdor se lembrasse de dizer "Graças a Deus", ou alguma outra expressão de agradecimento pelas bênçãos de Deus. Mas foi em vão...

"Dizemos toda manhã durante Shacharit" — começou o Báal Shem Tov — ‘Tu, ó Eterno, és entronado com os louvores do Povo de Israel.’ Isso significa que Deus senta-Se em Seu trono e espera que nós O louvemos. Quando um judeu louva Hashem, isso Lhe é mais caro que as preces dos anjos no céu!

"As pessoas podem se esquecer. Justamente quando alguém tem mais sucesso nos negócios e pensa que sua boa sorte brota de sua perseverança e sabedoria, precisa lembrar a si mesmo que é Deus que lhe concedeu este sucesso. Sempre há motivo para ser grato a Hashem, mesmo que seja apenas pelo privilégio de ser judeu e servi-Lo com júbilo."

O santo Báal Shem Tov fez uma pausa para ver se suas palavras tinham causado uma impressão no visitante. Mas como Avigdor não respondesse, o Báal Shem Tov continuou: "Bem, se não posso ser de nenhuma ajuda para você, talvez possa fazer-me um favor. Quando voltar a Brod, entregaria esta carta ao chefe da comunidade?"

O Báal Shem Tov pegou um pedaço de papel, escreveu umas poucas linhas, colocou-o num envelope, fechou-o e entregou-o a Avigdor. "Entregue pessoalmente, por favor, esta carta nas mãos de Reb Tzadok, o Presidente da Comunidade, e a ninguém mais."

Avigdor pôs a carta no bolso e saiu. Em sua viagem de volta a Brod, meditou um pouco sobre as palavras do Rebe. "Não será tão difícil dizer ‘Baruch Hashem’" — pensou consigo mesmo.

E tendo decidido isso, voltou sua mente aos assuntos de negócios.Quando chegou a Brod, já se esquecera de sua resolução. Além disso, trocou rapidamente de roupas ao chegar em casa e apressou-se para uma reunião de negócios. A carta quedou esquecida no bolso do paletó.

Passaram-se dezesseis anos, e a roda da fortuna deu uma volta completa, suas florestas foram destruídas pelo fogo; uma tempestade afundou um de seus navios, e vários devedores deixaram de pagá-lo. Os negócios que tentava saíam errado, até que tornou-se pobre, viu-se obrigado a vender todos os bens de sua casa para poder alimentar a família. Em pouco tempo, nada mais havia para vender exceto um velho paletó, que estava pendurado no canto do armário.

Ao pesquisar nos bolsos, procurando algum rublo esquecido, encontrou a carta que o Báal Shem Tov lhe pedira para entregar há tantos anos. Abalado, os joelhos cederam e caiu desmaiado. De repente, lembrou-se da santa imagem do Rebe, e as palavras de sabedoria ressoaram em sua mente: "Comece a louvar Hashem pelas pródigas bênçãos que Ele lhe concedeu…"

"Que tolo tenho sido, por não dar ouvidos às palavras do Báal Shem Tov" — pensou consigo mesmo. O remorso encheu-lhe o coração e trouxe-lhe lágrimas aos olhos. "Nunca mais esquecerei de dizer Baruch Hashem" — prometeu firmemente a si mesmo.

A escrita no envelope tinha empalidecido mas ainda estava legível. "Para Reb Tsadok, Presidente da Comunidade de Brod — dizia. Saiu apressado e perguntou à primeira pessoa que viu.

"Onde posso encontrar Reb Tsadok?" Avigdor perguntou freneticamente.

"Refere-se a Reb Tsadok, o recém-eleito líder da Comunidade?" inquiriu o estranho.

"Sim, sim, é este o homem" — replicou impacientemente Avigdor.

"Você o encontrará no grande Beit Midrash. Acabei de vê-lo ali. Um grande homem, este Reb Tsadok; exatamente hoje pela manhã, foi eleito chefe da Comunidade."

"Somente esta manhã?!" Avigdor ficou atônito. Desde que seus negócios tinham começado a ir por água abaixo, deixou de se interessar pela comunidade. Perguntou-lhe se conhecia este Reb Tsadok. "Talvez pudesse dizer-me algo sobre ele?" perguntou cortesmente.

"Na verdade, posso" — replicou o judeu. "Lembro-me dele quando ainda era menino. Seus pais eram pobres e não podiam enviá-lo a uma yeshivá. Tornou-se aprendiz de alfaiate e finalmente abriu seu próprio negócio. Não era lá essas coisas como alfaiate, mas ia vivendo. Desnecessário dizer que era um homem pobre, mas não demonstrava. Se alguém lhe perguntasse: ‘Tsadok, como vão os negócios?’ ele sempre dizia: 'Graças a Deus, dá para viver.' Bem, para encurtar a história, há alguns anos ele começou a prosperar. Um rico senhor de terras contratou-o para cuidar das librés dos servos. O cavalheiro adquiriu amizade por ele e não demorou muito, criou uma reputação entre a nobreza, e as encomendas começaram a chover.

"Tsadok contratou a maioria dos alfaiates locais para trabalhar para ele, e estava ficando mais rico a cada dia. Mas não deixou que o sucesso lhe subisse à cabeça. Doava generosamente às causas de caridade, e permaneceu simples como sempre fora. Sua resposta continuou sendo: 'Graças a Deus, está dando para viver.' Quem teria imaginado?

"Bem, hoje ele foi eleito líder da comunidade, e a cidade inteira está celebrando."

Avigdor correu até a sinagoga principal. Reb Tsadok ainda estava lá, e Avigdor entregou-lhe a carta, dizendo com certo constrangimento: "Sinto muito, Reb Tsadok, por estar um pouco atrasado com a entrega desta carta… Perdoe-me, por favor."

Reb Tsadok recebeu o envelope amassado, verificou se estava mesmo endereçado a ele, e abriu-o. Quando leu a data, sua face tornou-se mortalmente pálida. A carta fora datada há dezesseis anos, mas dirigia-se a ele como "chefe da comunidade"! Após tomar um gole d'água, continuou a ler. Na carta, o Báal Shem Tov apresentava o portador como um judeu que tinha sido rico no passado, mas que agora estava necessitado de ajuda financeira. O Báal Shem Tov pedia que Reb Tsadok ajudasse este judeu a reerguer-se na vida. Caso o destinatário duvidasse que a carta era genuína, os dois sinais seguintes deveriam dissipar todas suas dúvidas. Em primeiro lugar, esta carta seria entregue no dia exato de sua eleição como Presidente da Comunidade; em segundo, no mesmo dia sua esposa daria à luz um filho.

Reb Tsadok mal terminara de ler a carta, quando o shammes chegou correndo, ofegante: "Mazel Tov, Reb Tsadok! Sua mulher acaba de ter um menino!"

Ficou sem fala. O santo Báal Shem Tov falecera há vários anos, mas aqui estava uma carta com sua própria caligrafia, que tinha demorado tantos anos para alcançá-lo e mesmo assim chegara a tempo!

Voltou-se para Avigdor e disse:

"Reb Avigdor, não precisa desculpar-se por ter extraviado a carta. Creia-me, ela chegou exatamente na hora certa. Por falar nisso, gostaria de jantar comigo hoje? Eu poderia usar um homem com a sua experiência na minha empresa."

Avigdor simplesmente ficou ali, apalermado. Havia somente uma coisa que poderia dizer: "Baruch Hashem" — exclamou. "Baruch Hashem!"

Graças a Deus!

Graças a Deus!

Graças a Deus!


5 comentários:

  1. Marcos Takata disse...

    Eu não conhecia Baal shen Tov. Muito bom. Poste mais. Bijus

  2. Norma Villares disse...

    Ele é um ser simples e puro que atiça a alma rumo a Divina Presença. Abraços

  3. José Divaldo disse...

    Graças a Deus. Graças a Deus. Pelo sustento da Vida.

  4. Rodrigo Neiva disse...

    O Ba'al Shem Tov me insipira muito abençoado seja seu nome Rabi Israel.
    Como queria ter conhecido esse Rav.

  5. Rodrigo Neiva disse...

    O Ba'al Shem Tov me insipira muito abençoado seja seu nome Rabi Israel.
    Como queria ter conhecido esse Rav.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Caminheiros Evolutivos

Muito obrigada pela sua presença iluminada

Muito obrigada pela sua presença iluminada